O túnel de névoa ozonizada foi tema de palestra no Workshop Online Food Safety Brazil que aconteceu no dia 21 de Maio, a palestra abriu o evento e teve grande repercussão entre os participantes que enviaram várias perguntas.

A Palestra foi ministrada pelo Diretor da myOZONE Geradores Inteligentes Vivaldo Mason Filho que falou durante 1 hora sobre os geradores de ozônio, os efeitos do ozônio sobre microrganismos e como o túnel de névoa ozonizada por ser aplicado para a desinfecção de pessoas.

Foi destacado também o laudo científico emitido pela Universidade Estadual de São Paulo – UNICAMP certificando a ação da névoa de água ozonizada contra vírus e bactérias. O laudo atestou também que a névoa ozonizada não tem efeito em células vivas, portanto, é seguro para a desinfecção de pessoas.

Túnel de névoa ozonizada no Workshop Food Safety Brazil - myOZONE

O Workshop Online Food Safety Brazil  recebeu um público altamente qualificado e que enriqueceu grandemente o debate sobre o uso do ozônio na indústria de limentos e na segurança alimentar. Selecionamos as principais perguntas feitas durante a palestra online no Workshop:

Como funciona o túnel de desinfecção por O3 sendo que ele é nocivo ao homem na aplicação direta (tipo “banho”/aspersão)?

As pessoas sempre confundem esta questão entre gás ozônio e água ozonizada. O gás ozônio, apesar de ser um excelente e poderoso sanitizante não pode ser aplicado em doses altas com a presença de pessoas, pois provoca problemas respiratórios. A aplicação deve ser feita sempre em lugares herméticos garantindo a segurança das pessoas.
Quando falamos em túnel de descontaminação, o que está aplicado nas pessoas para descontaminação não é o “gás ozônio” e sim “água ozonizada”. Ao contrário do que todo mundo pensa a água ozonizada não contém ozônio. Trata-se uma solução aquosa formada pela aplicação do ozônio na água, tornando parte da água em duas hidroxilas: HO2 e OH.

São estas hidroxilas que possuem poder sanitizante. quando possuem concentração mínima normatizada pela Anvisa através da Portaria de consolidação n° 05 de 2017.

O artigo 32 da Portaria de Consolidação n°05 de 2017,  menciona que:

  • Parágrafo 2º – No caso de desinfecção com o uso de ozônio, deve ser observado o produto, concentração e tempo de contato (CT) de 0,16mg.min/L para temperatura média de água igual a 15°C .
  • Parágrafo 3º – Para valores de temperatura média da água diferentes de 15º C, deve-se proceder aos seguintes cálculos:

I – para valores de temperatura média abaixo de 15ºC: duplicar o valor de CT a cada decréscimo de 10ºC.

II – para valores de temperatura média acima de 15ºC: dividir por dois o valor de CT a cada acréscimo de 10ºC.

Uma solução com CT de 0,16 pode ser considerada desinfetante, quando se tem uma concentração de 0,16mg/L (0,16ppm) por um período de exposição de 1 minuto. Já períodos de exposição de metade do tempo de 30 segundos (0,5 minutos) teria que ser exposta em doses de (0,32ppm), e assim por diante.

 

Não é mencionado na NT 34 e na NT38: não recomendado (produtos químicos em estruturas já foram aprovados pela Anvisa e são eficazes para desinfecção, com exceção do O3)?

Sim exatamente, apesar de muitos produtos químicos serem regulados pela ANVISA para aplicação em superfícies e não em pessoas com exceção da água ozonizada, pois está já é regulamentada pela Portaria de Consolidação n° 05 da ANVISA de 2017.  Essa mesma portaria é o padrão de referência para o uso da água em bebedouros, torneiras para lavar as mãos e chuveiros. A Portaria regulamenta a qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Assim a ANVISA já determina que a água ozonizada pode ser usada e consumida de forma benéfica à saúde humana.

O que muitas pessoas confundiram na nota técnica é que o gás ozônio pode (e realmente é) perigoso quando em contato com vias respiratórias. Mas a água ozonizada não possui cheiro, pode ser ingerida e ter contato com pele e olhos.

A falta de experiência e desconhecimento de muitas empresas que se aventuraram em produzir túneis de desinfecção não possuem conhecimento de instalações e sistemas de segurança neste tipo de instalação, injetando o gás ozônio diretamente na linha que abastece a bomba de pulverização, levando o gás junto com a água ozonizada para os bicos e injetando dentro da câmara.

A instalação correta deveria utilizar um reservatório com tampa e uma bomba para fazer a incorporação dentro do tanque (com tampa). Onde o gás não incorporado fique preso dentro do tanque e não seja injetado dentro do túnel com a ajuda de uma segunda bomba. Houveram casos que pessoas que passaram mal e procuraram a Anvisa, assim como pessoas que tiveram problemas de saúde com a aplicação de forma indiscriminada de produtos químicos sobre pele provocando alergias e queimação nos olhos.

A água ozonizada quando produzida de forma correta, é segura para as pessoas e eficiente quando falamos em desinfecção.

E em relação a temperatura da água, pode reduzir a eficiência do ozônio? Pois, a legislação fala em 15°C.

Sim, a temperatura da água influencia no tempo de vida das hidroxilas produzidas pelo ozônio na água.

O artigo 32 da Portaria de Consolidação n°05 de 2017,  menciona que:

    .   § 3º Para valores de temperatura média da água diferentes de 15º C, deve-se proceder aos seguintes cálculos:

I – para valores de temperatura média abaixo de 15ºC: duplicar o valor de CT a cada decréscimo de 10ºC.

         II – para valores de temperatura média acima de 15ºC: dividir por dois o valor de CT a cada acréscimo de 10ºC.”

O ozônio elimina esporos de bactérias também?

Sim, Existem milhares estudos científicos disponíveis no Google Acadêmico que comprovaram a eficiência do ozônio para diversos tipos de bactérias, inclusive seus esporos. Alguns esporos necessitam de maior dose de ozônio para sua inativação em ambientes herméticos livre de pessoas.

Quais são as perspectivas para a utilização do ozônio em um mundo pós pandemia ?

Para responder esta pergunta, gostaria de citar um artigo escrito pelo Dr. Zhou Muzhi em 26 de Fevereiro de 2020 no portal China.Org.CN. O professor da Universidade Keizai de Tóquio e presidente do Instituto de Pesquisa Urbana Cloud River explana de forma ampla a atuação do ozônio no combate a pandemias anteriores como o H1N1.

Por mais de 100 anos, o ozônio, considerado um matador de vírus na natureza, tem sido amplamente utilizado por pessoas para desinfecção, esterilização, desodorização, desintoxicação, armazenamento e branqueamento, graças à sua forte oxidabilidade. Além disso instrui como o gás pode ser usado na esterilização de ambientes. Sua principal vantagem é a área de cobertura que o gás tem na desinfecção de espaços onde líquidos ou panos não alcançam.

O gás ozônio, embora altamente eficaz para a esterilização e desinfecção de superfícies, causará desconforto ou irritará as membranas mucosas quando atingir um certo nível de concentração. Portanto, é usado principalmente em ambientes live de pessoas. Se o ozônio puder ser usado em um ambiente humano para eliminar coronavírus e garantir um o ar limpo, será uma bênção usá-lo em hospitais, indústrias, escolas, supermercados, espaços públicos, transportes públicos, cinemas, escritórios, clínicas e residências. Para o gás ozônio poder entrar fortemente na vida das pessoas depende da capacidade da indústria de controlar seus níveis de concentração. O gás volátil é fácil de produzir, mas difícil de ser controlado em um determinado nível, devido ao elevado custo dos sensores de ozônio. O desenvolvimento de novas tecnologias para medir o ozônio gasoso tem sido fundamental para o crescimento da tecnologia. Sem o teste em tempo real com sensores, será impossível controlar sua concentração e inviável a aplicação de doses maiores em ambientes com pessoas.

Já a água ozonizada é muito mais viável. Pois além de ser regulamentada é extremamente segura para as pessoas e eficiente para higienização. Imaginem um equipamento de microbolha e um gerador de ozônio instalado em uma Escola de ensino fundamental onde as crianças poderão antes de entrar se higienizar sem uso de produtos químicos, beber água e se beneficiar dos benefícios da água ozonizada e a escola poder lavar e desinfetar o ambiente sem uso de produtos químicos. Existe uma forte resistência, principalmente de fabricantes de produtos químicos que não tem interesse comercial no crescimento do ozônio.

O Corona vírus serviu para a pessoas começassem a olhar, acreditar e querer que o ozônio possa fazer parte de suas vidas. Pois existem equipamentos baratos de fácil acesso desde aplicações simples como lavagem de verduras, uso em chuveiros, e torneiras até aplicações em tratamento de água, efluentes e descontaminação de alimentos.

Em meio à epidemia, sugere-se que possamos razoavelmente elevar os padrões dos níveis de ozônio em ambientes fechados de 0,08ppm (Regulamentados pela NR15) e tentar usar concentrações maiores de ozônio para desinfecção e esterilização no ambiente humano seguro para as pessoas.

A relação entre ozônio e microrganismo demonstra o equilíbrio requintado dos corpos vivos na Terra. Por um lado, sem a proteção da camada de ozônio, bactérias e vírus não sobrevivem  na Terra e, por outro lado, o ozônio com forte oxidabilidade matará bactérias e vírus. O conhecimento das pessoas sobre o ozônio ainda está longe de ser suficiente. Devemos abandonar o preconceito do ozônio, a vigilância excessiva do ozônio, tentar resolver o enigma do ozônio e explorar completamente as características do ozônio para uso humano. Devemos garantir a ajuda do ozônio no momento da nova epidemia de coronavírus.

Tampas metálicas para bebidas em geral, se eu injetar O3 ela oxida?

Tudo depende da dose e tempo de exposição. Eu particularmente sugeriria a aplicação de névoa ozonizada para esterilização de embalagens antes do envase. Esta tecnologia têm sido uma excelente solução para as empresas de alimentos tanto na higienização de equipamentos, alimentos e embalagens mesmo com a presença de pessoas, pois a névoa é segura, o equipamento com custo acessível e a instalação muito simples. A myOZONE é a única indústria de equipamentos de ozônio que detém esta tecnologia no Brasil e é especializada neste tipo de aplicação para indústria de alimentos.

Em relação, a uso em produtos in natura (exemplo, castanha de caju) existe estudo de eficiência? E não há alteração do produto?

Sim, existem estudos científicos que comprovaram a melhoria de qualidade de aplicação de gás ozônio em produtos como castanhas de cajú, castanhas do brasil e amendoim. Doses elevadas podem sim causar alguma alteração sensorial no produto devido a oxidação do óleo. Mas, existem já no Brasil, estudos científicos disponíveis realizados pela Universidade Federal de Viçosa e a Universidade de Brasília que orientam as doses e tempos de aplicações de ozônio em castanhas de caju, castanhas do brasil e amendoim sem interferir nas características sensorias do produto. Alguns destes estudos além de ter excelentes resultados em  redução de microrganismos e também detoxificação de micotoxinas. Alguns deles podem ser consultados no site da myOZONE na seção de Artigos Científicos.

 

Gostaria de saber o quanto encarece o processo?

Geralmente as soluções de aplicação de ozônio são muito mais econômicas que os processos convencionais. Quando falamos em esterilização de alimentos: a irradiação com Cobalto 60 possui custo médio de R$0,50 à R$1,0/kilo. Se a empresa possuir o equipamento em sua instalação o custo do oxigênio e energia elétrica é de R$1,50/ tonelada tratada. Nenhum processo de esterilização de alimentos é mais barato que , o ozônio. Possuímos clientes que investiram de R$50.000,00 e outros R$100.000,00 para ter a sua própria câmara de esterilização.

Quando falamos em tratamento de água a conta fica muito mais interessante. Temos um cliente frigorífico que depois de investir R$150.000,00 no gerador de ozônio, gerador de microbolha, reservatório de água de 10m³ e adaptações na parte hidráulica passou gastar diariamente apenas R$25,00/dia de oxigênio para ter 17m³/hora de água hiperozonizada na fábrica inteira. Reduziu 90% o seu consumo de cloro, melhorou sua higienização da fábrica, reduziu a carga orgânica no seu produto final como por exemplo a redução de 99% de mesófilos no produto final aumentando o tempo de prateleira de seu produto, além de ter uma indústria sem cheiro de peixe. Isto também repercutiu na economia de produtos utilizados no tratamento de efluentes, pois a própria água ozonizada passou a chegar muito mais limpa na sua estação de tratamento, pois o tratamento inicia-se no momento da lavagem e utilização da água no processo.

 

O que acontece com o ozônio depois que é liberado no ambiente?

Todo átomo é formado por prótons (que possuem carga positiva) e nêutrons em seu núcleo e uma carga de elétrons (que possuem carga negativa) que orbita o núcleo do átomo. Geralmente o ozônio é formado pela excitação por meio de uma descarga elétrica do oxigênio, que separa a molécula em dois átomos de oxigênio. Este “rompimento molecular” provoca a fuga de elétrons tornando o átomo positivo (com elétrons a menos).

Como o oxigênio é uma gás com grande peso molecular, e seu núcleo é forte (só perde para o flúor) quando o ozônio é formado sua molécula possui um dos 3 átomos com quantidade de elétrons. Como os outros dois átomos possuem núcleo forte. Ele vai procurar “roubar elétrons” de quem é mais fraco: Carbono, metais, etc. oxidando-os. E no caso de microrganismos destruindo sua parede celular levando a sua morte.

Esses aparelhos de O3 para uso doméstico são eficientes e tem o mesmo efeito para descontaminação em ambientes domésticos ?

Para o que eles se propõem, funcionam muito bem e são uma excelente opção para se ter em casa. Existem para residências 03 tipos de geradores de ozônio disponíveis para o mercado doméstico:

  1. a) Geradores para cozinhas que acompanham bomba de ar e pedra porosa que pode ser usada em algumas aplicações como:
  • remoção de agrotóxicos de frutas, legumes e verduras;
  • fazer água ozonizada para uma pessoa beber;
  • aplicar para remoção de cheiros de refrigeradores;
  • remoção de cheiros em armários e roupas que ficaram longo tempo guardadas.
  1. b) Geradores de ozônio para ambientesque pode ser usado para:
  • desinfecção de ambientes: quartos, salas, cozinhas;
  • remoção de odores e sanitização de veículos;
  • controle de microrganismos em ambientes, etc.
  1. c) Geradores de ozônio para tratamento de águaque pode ser usado para:
  • tratamento de água de piscinas;
  • tratamento de caixas d’água residenciais;
  • tratamento de água em spas e banheiras.

Alguns desses equipamentos estão disponíveis para venda na internet e lojas de departamento ou podem ser adquiridas diretamente com seus fabricantes e seus distribuidores.

Mas quando falamos em descontaminação de coronavírus por meio destes equipamentos não se deixem ser enganados. Estudos já demonstraram que a dose letal para o Coronavírus na forma gasosa é de 40ppm; Pessoas podem respirar até 0,08ppm. Um equipamento de ambiente consegue atingir em um cômodo fechado de 30m³ a concentração máxima de 5ppm em 30 minutos de aplicação. Precisa ser instalado 4 equipamentos ligados juntos para poder desinfetar o ambiente. E o custo destes 4 equipamentos é o mesmo de um gerador industrial de maior capacidade que conseguiria atingir a concentração em apenas 2 minutos.

 

As pessoas para serem desinfectadas têm que estar com quais vestimentas?

A tecnologia de névoa ozonizada escolhida pela myOZONE é a mais eficiente e segura para as pessoas. As 66 bilhões de gotículas sanitizantes liberadas por segundo pelo equipamento possuem tamanho de 5-10 micras, Tamanho suficiente para agir em pelos, cabelos e fibras das roupas, além de ter contato com toda área de superfície do corpo, sendo a opção mais segura e eficiente para a desinfecção de pessoas.

 

Já tive contato com ar de ozônio e provoca bastante tosse.

Sim certamente era uma instalação errada.

 

Algum estudo da eficácia do ozônio sobre esporos de bactérias?

Sim existem diversos estudos de eficácia em esporos de bactérias, Mas para alguns esporos de bactérias necessitam doses mais altas de ozônio. Uma boa fonte de pesquisa é o Google Acadêmico, no Brasil existem mais de 14.800 artigos científicos com aplicação em alimentos e no mundo mais de 677.000 artigos científicos.

 

Está aprovado pela ANVISA e demais órgãos.

Sim, a névoa ozonizada é nada mais que uma água ozonizada disponível em gotículas de água de tamanho de 5-10 micras e está regulamentada pela ANVISA através da Portaria Consolidada n° 5.

A aplicação de névoa tem autorização? Seria para uso em hotéis.

A tecnologia de névoa ozonizada consiste em uma técnica antiga e usada para tratamento médico e estético em diversos países, inclusive no Brasil através da conhecida ozonoterapia. A névoa ozonizada gera um efeito térmico, fazendo com que haja aumento do fluxo sanguíneo por consequente vasodilatação causada pelo calor. Sendo assim, há uma melhora no aporte de oxigênio e nutrientes no tecido da pele e há melhora no trofismo. Pode ser utilizado também para acelerar o processo de cicatrização de feridas. O ozônio tem propriedades antioxidantes que influenciam em eventos bioquímicos no metabolismo celular, gerando reparação tecidual.

Pode ser facilmente aplicada em hotéis com o uso de equipamentos de névoa ozonizada que a myOZONE produz.

 

Você poderia explicar mais sobre a remoção de agrotóxicos?

O ozônio consegue remover agrotóxicos dos alimentos ou nas superfícies de contato utilizados na produção de alimentos sem alterar as características sensoriais do produto tratado. O uso indiscriminado de agrotóxicos e a não observância dos períodos de carência faz com que alguns ingredientes ativos sejam detectados em concentrações acima do limite máximo de resíduo (LMR) em diversos alimentos.

Esses fatos, que também são do conhecimento do público não científico, tem gerado preocupação aos consumidores, que por sua vez criam “receitas” milagrosas com o objetivo de diminuir ou eliminar a contaminação dos alimentos. Mesmo no meio científico estudos realizados com as receitas populares mostram dados contraditórios e difíceis de serem avaliados com segurança.
Recomendações como lavar as frutas e hortaliças com água corrente ou por imersão em água e/ou soluções aquosas contendo diferentes substâncias são encontradas na literatura. Dessas recomendações pode-se afirmar que alguns tratamentos a que os alimentos são submetidos diminuem os níveis de contaminação.
Tratamentos como descascamento, cozimento, secagem, moagem, fermentação, lavagem, etc., podem diminuir a contaminação, mas é necessário um estudo mais cuidadoso dos processos para estabelecer a eficiência dos mesmos.
Uma de suas principais vantagens do uso do ozônio para a indústria alimentícia sobre os desinfetantes comumente empregados é a eliminação de agrotóxicos no alimento ou nas superfícies de contato utilizados na produção de alimentos sem a necessidade de enxágue.
Os tratamentos utilizando ozônio vêm sendo estudados como alternativa para descontaminação de alimentos, nos últimos anos, por apresentar uma série de vantagens como, por exemplo, o alto potencial de oxidação do ozônio mesmo em baixas concentrações.
A grande vantagem do ozônio é que ao reagir ou degradar agrotóxicos sem deixar resíduos no alimento. O efeito da aplicação de ozônio para descontaminação de alimentos deve ser avaliado pela presença de resíduos de agrotóxicos, de seus produtos de degradação e pela manutenção das características físico-químicas dos alimentos. Nesse sentido, técnicas de extração e análise de resíduos devem ser adaptadas e/ou desenvolvidas e a qualidade do alimento monitorada durante o período de armazenamento.
As formas de uso do ozônio são normalmente a fumigação do gás nos alimentos ou a imersão dos alimentos em água saturada com o gás. Além de ser efetivo na remoção de contaminantes é desejável que o alimento mantenha suas propriedades físico-químicas originais após o tratamento com ozônio.

Pode nos passar trabalhos em relação a isso?

https://myozone.com.br/ozonio-na-degradacao-de-residuos-agrotoxicos-e-conservacao-de-cenouras/

https://www.locus.ufv.br/bitstream/handle/123456789/225/texto%20completo.pdf?sequence=1&isAllowed=y

 

Qual sua opinião sobre o uso do quaternário de amônio para desinfecção ambiental?

Não tenho conhecimento suficiente para opinar sobre esta questão. Sabemos que este sanitizante e excelente para descontaminação de paredes, móveis, etc. Desconheço algum estudo sobre a sua eficácia na aplicação em pessoas, animais e vegetações.

Qual portaria regulamenta o uso do ozônio para indústrias de alimentos?

A água ozonizada é regulamentada pela Portaria Consolidada  n° 5 de 2017 que trata da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade.

O gás ozônio é considerado pela ANVISA e pelo MAPA um gás natural e reconhecido pelo órgão como uma atmosfera modificada, assim como ocorre com o Nitrogênio, Oxigênio, Gás Carbônico não possuem nenhuma RDC que regulamenta o uso de atmosfera modificada. Se uso pode ser aplicado desde que seja realizado locais herméticos e em ambientes livre de pessoas.

A NR15 regulamenta doses máximas de exposição de humanos ao gás ozônio.

 

Em ambientes de manipulação de alimentos, pode-se operar um gerador de ozônio ao longo expediente? neste caso, o gerador de ozônio seria mesmo eficaz para alimentos e superfícies?

Sim, a névoa ozonizada é uma excelente opção.

 

Essa desinfecção pode ser feita dentro de transporte público e carros.

Sim, A névoa pode ser aplicadas em todos os tipos de ambientes.

 

O porquê ainda para Água Mineral não é possível utilizar?

Só pode-se utilizar para sanitização. Não é verdade. No Brasil é obrigatório o uso de ozônio na desinfecção de águas minerais. O uso de saneantes químicos é proibido pela legislação brasileira.

 

Ainda me preocupa a questão de sanitização de pessoas. Pois não há saneantes para esta finalidade na Anvisa. Sabem se alguma empresa está entrando com essa solicitação na Anvisa?

Tal como essa que apresentou sobre o Ozônio? Existem sim saneantes regularizados na Anvisa para contato em humanos: como por exemplo: clorexidina. Nós da myOZONE já realizamos testes com células vivas e ozônio em parceria com a UNICAMP, mais detalhes no artigo: COVID-19 é eliminado em 10 segundos com névoa ozonizada.

 

Como realizar o monitoramento de residual do gás Ozônio no ambiente, após a aplicação? É possível? Garantindo segurança para uso do ambiente pelos trabalhadores.

Sim é possível, Existem sensores de ozônio que podem desempenhar esta função.  Podemos orientar o melhor sensor para cada tipo de aplicação. A myOZONE possui um projeto em andamento que será o primeiro analisador  de ozônio do Brasil.

 


Esperamos que o conteúdo deste artigo sirva para resolver algumas dúvidas frequentes sobre a aplicação da água ozonizada em forma de névoa. Para saber sobre aplicações específicas, entre em contato e agende uma reunião.

 
 

Vivaldo Mason Filho Diretor da myOZONE

Vivaldo Mason Filho é Administrador de Empresas e Especialista em Análise de Sistemas pela PUCCAMP, Especialista e Mestre em Engenharia pela USP. Empresário e especialista na implantação de ozônio para indústrias de alimentos. Atuou por 11 anos como Professor nos cursos de graduação e pós-graduação de Administração, Comércio Exterior e Engenharia de Produção. É atual vice-presidente da Associação Brasileira de Ozônio – ABRAOZÔNIO.